Todo mundo pode meditar

segunda-feira, 17 de outubro de 2016


Não sei pra você, mas na minha cabeça meditar sempre foi uma coisa bem distante da minha realidade.
Eu imaginava como deveria me sentar e já sentia dor nas costas antes mesmo de tentar. Achava que era coisa de gente zen demais ou que só os iluminados meditavam "de verdade".
Minha cabeça é barulhenta demais, muito mesmo. Então eu novamente pensava e me limitada: "silenciar a mente? Ah vá. Nem morta que eu vou conseguir!"
Não me dava a chance de tentar provavelmente por causa dos estereótipos e regras criados por várias pessoas e que eu aceitava como verdade absoluta sem questionar.
Nesse mundão o que não falta são dicas de como começar a meditar. Tantas que eu até acabava me confundindo. 
Informações diversas, passo a passo de como sentar e como pensar antes de meditar e depois, ouvir música, não ouvir música... quanta coisa pra "decorar"!
Comecei a reparar que a posição famosa nem sempre é a melhor pra todo mundo.
Tem gente que medita deitado, ajoelhado, em pé... no ônibus!
A regra? A regra é que não tem regra!
Depois de algumas pesquisas cheguei a uma conclusão: cada um medita como quer e eu decidi que iria tentar encontrar o meu jeito.
E lá fui eu descobrir qual seria o meu jeito.
Após algumas tentativas, o que funciona atualmente, pra mim, é: sem música, sentada confortavelmente, deixando a mente silenciar aos poucos e sem pressão com os pensamentos que surgem. E tem dado certo.
Um minuto é um ótimo começo pra quem nunca tentou. Bem melhor do que nunca tentar, não é mesmo? Bom, foi assim que eu comecei.
Ainda preciso me aperfeiçoar muito, mas vou indo. Um passinho de cada vez.
Vale lembrar que existem excelentes profissionais espalhados por esse mundão só esperando a chance de ajudar tanto aqueles que querem começar quanto os que querem se aprofundar no assunto.
Caso sinta curiosidade em saber sobre como poderia tentar já, dê uma olhada nesse vídeo. Ele me ajudou a por pra correr boa parte dos mitos da meditação que me impediam de tentar e a encontrar o meu próprio modo.


Uma linda semana pra nós! 

8 coisas que a Pedagogia me ensinou

sábado, 15 de outubro de 2016


Graduação em Pedagogia não era a minha primeira opção. Matemática era a primeira, Astronomia a segunda. 
Acho que isso que explica o fato de eu ter ficado entediada e meu cérebro se desligar totalmente muitas vezes durante as aulas mais teóricas que começavam antes da 8h da manhã, mereço um desconto!. haha
Mas, mesmo assim, lá fui eu, sem nem saber muito o que era essa tal de Pedagogia.
11 anos depois de ter começado aquele curso tenho certeza que foi a melhor coisa que eu fiz na vida.
No dia do professor fiquei aqui pensando sobre o que eu aprendi nesse curso que me apaixonei depois de escolher.

1) A verdade não existe

Eu debati e custei pra entender essa, mas entendi. Cada um tem a sua verdade e depois que ouvi essa frase pela primeira vez muitas das minhas verdades mudaram várias e várias vezes.

2) Empatia

Essa aí é mérito de Antropologia. Minha nossa, como eu viajava e aprendia naquelas aulas. É bem simples, você não pode julgar alguém de acordo com os seus valores, o julgamento é inútil. Então, basicamente, ou você se coloca no lugar da pessoa e tenta ser o mais empático possível, ou cala a boca e segue a vida.

3) Descobri que existem mestres

Mestres não precisam provar que sabem nada, eles simplesmente vão inspirar você a querer ser melhor cada vez mais. Eu tive alguns desses e é justamente dos ensinamentos deles que eu me lembro mais.

4) O que você aprende é bem diferente do mundo real

A gente aprende que o mundo é lindo, que podemos mudar o mundo, que é só sair colorindo tudo que vai dar tudo certo.
Chegamos nas escolas da vida real com uma mala de sonhos, propostas pra melhorias e vamos vendo um por um sendo esmagados pelo discurso: "eu trabalho nisso há anos, você não sabe nada". Contestar? Não. Não se contesta sábios cheios de certezas, não é?

5) Nós temos motivos pra odiar Matemática

Lembro do primeiro dia da disciplina que nos ajudaria a ensinar Matemática aos nossos futuros alunos. Mais de 80% da minha turma devia odiar Matemática. E eu pensava: como essas criaturas vão ensinar algo que detestam? E aí eu ficava imaginando que essa era a causa do círculo vicioso das aulas de Matemática que eram monótonas e consideradas "privilégio" de alguns. Coisa que eu não entendia pois amava.

6) Falta vocação (e amor) nas escolas

Isso eu aprendi nos estágios. Via pessoas que estavam ali sem vontade, descontando nas crianças as frustrações de suas vidas. Queria eu que as pessoas não só na Educação fossem levadas pelo amor a própria vocação do que amor somente ao dinheiro.

7) Quem você detesta pode ser um mestre também

Tive um professor que eu não eu não gostava de jeito nenhum. Foi um dos melhores que eu tive. Hoje vejo o que ele queria dividir com a gente e agradeço. Eu que era cabeça dura demais na época mesmo.

8) Um diploma não é essa coca-cola toda

Conheci doutores que com sua arrogância só conseguiam ensinar aos demais a não serem como eles. Ok, é uma lição. Conheci pessoas que nem assinavam o nome direito e me ensinaram mais sobre o amor.

Pra mim, todos somos professores e alunos todos os dias pois sempre ensinamos e aprendemos algo novo. ❤