Algumas reflexões sobre o tal do autoamor

by - dezembro 16, 2019


Quanto tempo da vida ainda vamos buscar fora o que está dentro de nós?
Quanto tempo da vida ainda vamos acreditar que a palavra do outro é mais importante do que a nossa intuição?
2019 não foi nem de longe o ano que eu esperava. Eu olho para os lados e muitas vezes só tem eu e o meu cachorro. Quando estou cozinhando eu converso com ele. Peço até ideias.
Claro que ele não responde, ainda não cheguei nesse grau de loucura... Ainda... 😳😂
E eu não quero dizer que isso é ruim ou começar um dramalhão. Eu amo a casa cheia, mas eu também amo ficar sozinha cantando meus mantras e escrevendo.
Hoje eu acordei diferente. Quando me olhei no espelho eu percebi o tanto de coisa que eu vivi esse ano e continuo aqui.
Ah gente... Nós somos tão grandes e tão cheios de histórias... Quantas memórias nosso corpo e nossa alma trazem... Cada marca. Cada sinal. Cada cicatriz. Tudo tão lindo.
Como eu queria ver a beleza disso todos os dias. 
Nós somos tão melhores do que achamos que somos e tão mais sábios e nos ignoramos tanto... Tantas pessoas que amávamos foram embora das nossas vidas.
Tantas pessoas que disseram que estariam sempre ao nosso lado, muitas vezes dariam tudo para estar e não podem.
Então eu olho pra mim, pro meu corpo e vejo quem, realmente, sempre esteve comigo. 
Nem um minuto sequer ele me abandonou ainda que eu o tenha desprezado e odiado tantas e tantas vezes. 
Ele continua aqui funcionando, me levando a lugares onde eu jamais pensei que iria.
Talvez esse seja o começo da (re)descoberta do que, pra mim, é o amor próprio de fato.
E aqui continuo com o exercício Ho'oponopono. 
Limpando. Curando. Ressignificando.
✨💖Meu corpo e minha alma, lindos exatamente como são, eu sinto muito, me perdoem, sou grata, eu os amo. 💖✨

continue na Trilha

0 comentários

Me diz o que você achou desse post? :D