A beleza do sentir

sexta-feira, 23 de outubro de 2020



Quantas vezes eu me vi querendo soluções rápidas e respostas mágicas fora de mim para os meus problemas, duvidas e dores e tudo o que eu precisava fazer era simplesmente silenciar pra sentir o que eu estava ignorando ou fugindo de sentir.
Quantas vezes tudo o que eu fiz pra melhorar minhas angústias e tristezas foi simplesmente chorar o que eu não havia chorado ainda por tentar fingir que era durona.
Quantas vezes o meu grande remédio milagroso, a melhor poção mágica que eu poderia ter foi pegar uma folha de papel e colocar nela tudo o que estava transbordando no meu coração e na minha alma: o famoso desabafar.
Parece que estamos sempre procurando algo para nos distrair dos nossos fantasmas internos, das nossas dores, dos nossos conflitos, mas cedo ou tarde nós temos que enfrentá-los.
Hoje eu ouvi um mantra muito bonito e ele tocou tão fundo no meu coração que eu chorei. Não de tristeza, mas pela profunda paz que me inundou.
E eu, que tantas vezes quis ser menos sensível, hoje agradeci a Deus por sentir tudo nessa vida como eu sinto.
Quando, na terapia, eu me descobri uma PAS (pessoa altamente sensível) muita coisa fez sentido dentro da minha cabeça.
O melhor é descobrir que tem sim como ressignificar e transformar algo que eu sempre achei que fosse um defeito ou uma fraqueza em uma grande qualidade. 
E hoje eu posso afirmar que é lindo poder ter tantas emoções dentro de nós.
Como são lindos os nossos ciclos.
E você como lida com o seu sentir?

A velha mania de se cobrar estar sempre bem

quarta-feira, 21 de outubro de 2020



O dia amanheceu chuvoso aqui e muito frio. Pelo menos pra mim que qualquer queda na temperatura já estou colocando todos os cobertores que tenho no guarda-roupa...
Pois bem. 
Eu tinha na minha cabeça e também no meu planner uma listinha de tarefas bem básica para realizar hoje.
Ah não, não eram muitas muito urgentes, todas eram aqueles tipos de tarefas que poderiam esperar.
Eu comecei a notar que eu estava me cobrando estar bem me cobrando estar 100% depois de tudo que eu já passei na última semana: a saga do dente siso. 
Mas não era só isso...
Para a minha surpresa eu acabei descobrindo que eu continuava me cobrando de estar bem, positiva, good vibes e recuperada de tudo que eu passei nesses últimos tempos.
A tal positividade tóxica sabe?
Pois então. Às vezes ela ainda me pega pelo pé sorrateiramente.
Constatei: impossível. Ninguém estaria 100% bem depois de tudo.
E fui começando a me acalmar, respirar fundo e deixar a compaixão chegar e tomar o lugar da cobrança.
Eu estava esquecendo, mais uma vez, que sou humana.
Humanidade... Ah como é difícil aceitar que somos humanos às vezes não é?
Daí decidi fazer o exercício de me tratar como minha melhor amiga.
Perguntei:  
Ok. O que minha melhor amiga me diria em uma hora dessas?
E mergulhei... no papel maravilhoso e compassivo de minha melhor amiga eu comecei analisar tudo o que aconteceu na minha vida pelo nos últimos 12 meses.
Foram tantas mudanças para as quais eu não estava preparada e às quais eu tive que me adaptar do jeito que deu.
Foram perdas gigantes que eu tive e que ainda estão sendo curadas dia após dia.
Então eu vi que eu estava me cobrando mais uma vez de ser uma mulher maravilha da produtividade até mesmo após uma cirurgia pra arrancar um dente bem complicado.
Muitas vezes a gente tem muito isso de querer se recuperar das coisas sem analisar muito e nem absorver o processo. 
Faz falta essa coisa de se abraçar, de ser nosso melhor amigo e simplesmente ir no espelho do banheiro, olhar os nossos olhos no espelho e dizer: 
- Está tudo bem. Olha o quanto você enfrentou. Olha o quanto você sobreviveu. Olha as lutas que você teve. Qualquer pessoa no seu lugar teria todos os motivos para não estar totalmente bem.
E por mais que as vezes a gente queira esquecer, não tem como negar que ainda estamos no meio de uma pandemia sem nem saber quando vamos parar de jogar álcool em nossas compras do supermercado...
É óbvio que nossa saúde mental não está das melhores.
É óbvio que tem dias sim que a gente acorda querendo só ficar na cama.
E nós precisamos nos ver como humanos que tem emoções e que essas emoções oscilam.
Acho que, mais do que nunca a nossa alma pede compaixão e calma com a gente mesmo.
Independentemente de uma lista de afazeres que não está completa ou das nossas expectativas frustradas nós estamos acertando!
Estamos todos seguindo da melhor maneira que podemos e isso basta. Tem que bastar. 
Um dia de cada vez.

Abra os olhos do seu coração e veja os sinais

quarta-feira, 14 de outubro de 2020


Cheguei ao dia 14 de outubro de 2020.
Consegui "sobreviver" aos 365 dias desde que minha mãe partiu.
Por mais louco que pareça hoje faz 1 ano que minha mãe deixou esse plano. 
Sem despedidas. Sem alarme. 
Em um dia comum ela apenas partiu.
Minha mãe era uma leonina que detestava tirar fotos por mais raro que isso pareça, pode acontecer.
Nós duas temos bem poucas juntas pra falar a verdade e não faz muita diferença já que, de fato, os melhores momentos que tivemos estão registrados todos na minha memória e no coração e não caberiam em foto alguma.
Quando eu lembro da minha mãe sempre vem a imagem de uma Leoa que é como eu sempre a vi e continuo vendo.
A Leoa que defendia sua cria e seus entes queridos com unhas e dentes de tudo e de todos que chegassem perto tentando fazer mal ou que ela com seu sexto sentido já previa que num era lá muito confiável.
Um dos maiores ensinamentos que ela me deixou foi de que o invisível é tão importante quanto o visível e isso tem se tornado cada vez mais nítido na minha vida a cada dia que passa.
Com uma fé em mãe Maria e em Jesus que eu jamais vi igual, com os "banhos de folhinhas" e seus chás milagrosos pra tirar o mau olhado e equilibrar as energias, com seu Buda na estante e seus cristais coloridos, com seus incensos cheirosos... minha mãe me mostrava que espiritualidade não tem uma lógica ou um único caminho.
E foi assim que eu cresci e aprendi a enxergar esse grande pilar da minha vida.
Integrando saberes e sentimentos como ela me ensinou desde bem pequenininha.


Seria uma grande mentira se eu não dissesse que vez ou outra eu choro de saudade, muita mesmo, mas ela sempre dá um jeito de me mostrar que não estou sozinha.
Aliás dia desses quando eu terminei de faxinar a casa e estava sentada no sofá da minha sala eu chorava e falava: "ah mãe eu queria tanto que você estivesse aqui...".
E é aí entra o tal invisível que eu acredito, as conexões além da nossa lógica, os sinais para quem abre o coração e consegue ver além:
Veio no meu coração a ideia de clicar um grupo do Telegram para ver as mensagens que eu não via há bastante tempo.
E lá estava o sinal.
E esse tal sinal era singelo e se eu não entendesse não seria a filha mística da Dona Maria: uma música, mas não era uma música qualquer.
Era a música para nossa senhora Aparecida que a minha mãe cantava todas as vezes que fazia faxina na casa desde quando eu era bem pequena.
👩‍👧Ela está aqui.
Sempre vai estar.
Comigo e em mim.
Quem acredita sempre vê os sinais.
Peça, abra o seu coração e esteja atento.
Nós não estamos sozinhos. 💖

Empatia: além de uma palavra bonita

sábado, 29 de agosto de 2020


Hoje eu acordei com a notícia de que Chadwick Boseman, o grande astro de Pantera Negra, havia falecido.
Na mesma hora eu pensei que era esse vírus que tem levado tantas pessoas, mas não.
Era mais um dos guerreiros que lutou bravamente por anos contra o câncer.
Dentre as várias homenagens e posts no Instagram feitos sobre o ator, uma me chamou a atenção, a que estava no perfil da Gabi: onde era falado que o ator apareceu muito mais magro por conta da doença e dos tratamentos que nós sabemos que são ainda muito agressivos ao corpo humano e muitos fizeram piadas sobre ele na internet.
E foi nesse momento que eu chorei.
Uma suposta justificativa para tal? Ah, mas ninguém sabia que ele estava doente...
E daí que ninguém sabia?
Por que ainda hoje as pessoas usam seu tempo pra ferir os outros na internet, pra dizer coisas que machucam ao invés de simplesmente guardar seu lixo pra si mesmas?
Onde é que nós continuamos errando como seres humanos a ponto de não transmutar essas coisas em nosso planeta?
Pessoas com os sorrisos mais bonitos lutam batalhas que não fazemos a menor ideia.
Muitas dessas batalhas podem ser doenças, a perda de entes queridos, ou um vazio que nada consegue solucionar, por exemplo.
Eu mesma já sorri muitas vezes para esconder dores das pessoas que eu mais amava no mundo e não me arrependo.
Cada um de nós sabe como é lidar com as próprias batalhas internas diariamente. 
Julgamos o outro por aquilo que vemos e pensamos no quanto a vida dele é mais fácil ou mais feliz que a nossa. 
Só porque algumas pessoas escondem as próprias feridas não quer dizer que elas não existam.
Não custa ser gentil.
Não custa tratar os outros bem.
Não custa respeitar as dores dos outros.
O mesmo impulso para criticar pode e deve ser usado para oferecer um elogio.
As palavras podem levantar ou derrubar pessoas e por isso precisamos escolher bem como usá-las.
Mas o fato é que nós nem sequer sabemos tratar bem e com amor a nós mesmos imagine os outros...
Falta empatia na prática.
Ela é uma palavra muito bonita que as pessoas adoram usar, mas sentir mesmo? Parece que ainda temos um longo caminho a percorrer.


Que ele descanse em paz da batalha que enfrentou nesse plano, que Deus conforte o coração da família e daqueles que o amavam.

E que nós aprendamos cada vez mais a apontar menos o dedo e julgar os outros porque não sabemos nada da vida. Nem da nossa, nem da de ninguém.

EMPATIA.
Sempre.
E cada vez mais.

Autoestima e Redes Sociais

quarta-feira, 26 de agosto de 2020

Hoje me peguei pensando sobre uma época da minha vida em que eu seguia perfis fitness para me inspirar a emagrecer. Eu perdia horas e horas vendo aqueles pratos de dietas e várias e várias dicas de exercícios.
E perdia essas horas por que? 
Simplesmente porque eu via tudo e era uma realidade tão distante do que eu queria e estava disposta a fazer que só me fazia cada vez mais mal ficar acompanhando esses perfis e eu não colocava nada em prática porque só de ver eu já achava tudo muito impossível.
Foram anos nessa obsessão por emagrecer vendo pessoas que não me inspiravam nem um pouco, aliás, elas me despertavam sentimentos que não me ajudavam em nada.
A inveja e a comparação eram constantes.
Eram sempre umas receitas sem graça pro meu paladar com coisas que não tenho acesso onde moro e quando tentava comprar as pessoas nem sabiam o que eram, sem contar os exercícios fora da minha realidade e preparo físico.
É claro que esses perfis inspiram milhões de pessoas diariamente, mas não eu não era uma dessas pessoas. Definitivamente não é nem de longe o meu estilo de vida.
Um belo dia eu vi um vídeo onde a pessoa falava que nós deveríamos seguir pessoas com corpos parecidos com os nossos. 
Eu decidi experimentar. Dei unfollow nas pessoas que faziam com que eu me sentisse mal e comecei a procurar pessoas mais parecidas comigo e com vidas mais perto do que eu chamo de realidade, sem aquele glamour e perfeição toda que estamos acostumados a ver todos os dias. 
E aqui cabe falar que o problema não está nelas e nem em mim, mas eu nunca me sentia representada. Era apenas uma meta que me fazia cada vez mais mal e só piorava minha relação com a comida.
Eu tinha finalmente encontrado pessoas com o corpo parecido com o meu e elas eram lindas e maravilhosas!
Esse dia foi um divisor de águas na minha relação comigo mesma.
Como é maravilhoso encontrar mulheres maravilhosas que realmente me inspiravam e que quando eu via uma roupa nelas eu sabia como iria ficar em mim sem ter que fazer sacrifícios pra isso.
Eu podia apenas ser como eu era, sem precisar perder peso e isso me deu um alívio surreal.
Como é bom me sentir representada. Fez e ainda faz muita diferença.

Respeitando meus limites

segunda-feira, 24 de agosto de 2020



Ontem, um pouquinho antes de dormir, peguei minhas canetas coloridas, meu planner basiquinho da Tilibra cor de rosa, um chocolate quente e comecei a fazer as listas de afazeres da semana feliz da vida.
Acordei nessa segunda-feira e não foi nenhuma surpresa quando vi a temperatura.
Esses dias no RJ estão de fato um gelo ainda não consegui transmutar minha raiva do frio! 😂) e tenho adiado o que posso sem culpa.
mais um dia de frio no Rio de Janeiro.
Quando a gente planeja a semana não leva em consideração como vamos estar no dias em questão.Fica lá tudo muito lindo e organizado nos planners, agenda e apps
Eu comecei a fazer um novo exercício já faz algumas semanas que tem dado resultados e tem mudado os meus dias e minhas cobranças.
O tal exercício é o de começar a conversar com meu corpo e perguntar a ele sobre o que ele quer comer, sobre descansar ou sobre fazer as coisas e acreditem, o corpo fala. Principalmente o coração,
Foi isso que eu perguntei hoje quando eu acordei e vi aquele tempo nublado e cinza de novo por aqui: perguntei para o meu corpo o que iríamos fazer hoje e claro que nem todas as pessoas tem esses privilégio e eu reconheço isso. 
Tem dia que estamos bem e dispostos e tem dias que não estamos bem. Faz parte da nossa caminhada nessa existência esses altos e baixos.
Muitas vezes acabamos nos obrigando a fazer coisas pra cumprir listas ou expectativas do nosso ego e até das outras pessoas.
Nos melhores dias nos dedicamos com toda a alma ao que devemos fazer, mas e nos dias em que tudo o que queremos é ficar quietos no nosso canto?
A minha sugestão pra quem ler esse post e estiver se cobrando demais hoje é:
Faça tudo sempre com alma e se respeite, se desafie, sim, para não permanecer acomodado, mas nos dias em que sua alma pedir calma e silêncio, ouça.
Existem compromissos e tarefas que são importantes, mas tem sempre algo que podemos adiar.

Estou me acostumando a ouvir cada vez mais a voz da minha alma e o meu corpo sem me julgar.
E você? Consegue ouvir da sua?

Falar sobre o que sentimos de verdade

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

Tem certas horas em que a gente se sente muito só e com muitos problemas para resolver, a cabeça fica uma bagunça e o coração também e nem sabemos por onde começar ou o que fazer para melhorar ainda mais nesse período louco que estamos vivendo...
Eu tenho vivido dias bem esquisitos por aqui. Umas horas fico mais otimista, outras perco o otimismo e pra voltar a encontrar demora um pouco.
Nessas horas vazias por vezes pensamos: "como faz falta ter alguém pra me ouvir essas horas..."
Mas e quando nós trancamos a porta, como é que eles podem chegar até nós?
Dizer que está tudo bem quando não está é uma das formas de impedir que o outro possa ao menos tentar nos ajudar e, pode acreditar, sempre existe pelo menos uma pessoa disposta e nós não enxergamos.
Dia desses conversando com uma amiga fui percebendo que muitas da angústias que eu tinha ela tinha também.
O mundo está cheio de pessoas dispostas a oferecer ajuda e muitas vezes tudo o que nós precisamos fazer é abrir a porta do nosso coração para que elas possam entrar.

Falar como nos sentimos para alguém que nos entende e nos acolhe com empatia traz alívio para o nosso coração e traz clareza pra nossas mentes também.
E eu vou reforçar isso aqui: pessoas com empatia.
Nunca devemos contar de nossos "segredos" para aqueles que sabemos que vão nos julgar ou que virão com 10 pedras na mão.
Seja nos abrindo com os nossos familiares, amigos seja com os profissionais que são formados para isso e se dedicam imensamente a ajudar tantas pessoas.
Precisamos falar mais sobre os nossos medos, tristezas e angústias porque isso nos sufoca e causa doenças.
Muitos sofrem sozinhos por anos e anos com vergonha de pedir ajuda, mas o outro não tem como adivinhar o que carregamos em nossos corações, somos nós que precisamos abrir a porta, falar, compartilhar.
E como diria um professor, aliás, um mestre que conheci uma vez na faculdade:
"Nós não somos ilhas".

Diálogos Internos: como você se trata?

quarta-feira, 19 de agosto de 2020



Hoje estava pensando sobre como muitas vezes procuramos nas palavras do outros um incentivo, um carinho, um apoio, um aconchego e não é bem isso o que recebemos...
Ah as expectativas, né?
Ficamos frustrados e até mesmo pensamos que o outro é cruel, insensível e mais um monte de coisa. Olha nós aí julgando o outro porque ele não agiu como esperávamos!
E cá entre nós, talvez o outro seja tudo mesmo, afinal nesse mundo a gente vê de tudo, mas essa não é a questão mais importante nesse momento.
O ponto é: a sua voz consigo mesma é infinitamente mais poderosa do que a dos outros. Sim, pode acreditar.
Pra fazer uma comparação mesmo que louca é como se a nossa voz interna gritasse e voz do outro é uma voz em tom "normal".
Ah então quer dizer que a voz do outro não ajuda quando precisamos? 
É claro que ajuda! Mas nós precisamos criar o costume de ter um diálogo de amor e compaixão interior para não depender sempre do que o outro vai nos falar. 
Experimente falar para si o que gostaria de ouvir dos outros.
Vigie o seu diálogo interno principalmente nos piores dias. 
O que você fala para si mesma?
Quando está doente, por exemplo, como você se trata? Aliás, como você trataria a pessoa mais especial do mundo nesse momento.
É assim que temos que nos tratar.
Algo que ajuda é perguntar pra si mesma: 
É amor que falta? 
Ótimo! Então é do meu próprio amor que estou precisando.

Investiguemos mais antes de cobrar dos outros.
É atenção? Compaixão? Empatia? Escuta? Palavras amigas? Um abraço? Um chocolate quente e cobertor?
O amor, o carinho, a atenção e os conselhos dos outros nos ajudam muito, mas eles não serão suficiente enquanto nós não nos tratarmos como merecemos antes.
Até porque ainda que alguém nos conheça bem e por anos e anos, ninguém pode nos conhecer tanto quanto nós mesmos. 
Somos nós que vivemos no nosso corpo 24 horas por dia por anos e anos...
Nós já somos especiais, só que muitas de nós fomos ensinadas a não enxergar isso.
É tempo de nos tratarmos como queremos ser tratadas. Vamos juntas!

Agindo por nós ou pelos outros?

terça-feira, 18 de agosto de 2020

De uns tempos pra cá comecei a prestar cada vez mais atenção nas minhas ações, principalmente no que eu fazia ligada no automático. 
Comecei me perguntando: por que eu faço isso? é mesmo algo que eu quero ou é só costume?
Depois me aprofundei e passei para: por quem?
Tem muitas coisas que fomos condicionados a fazer e nem percebemos.
Tem coisas que fazemos para deixar os outros felizes ignorando a nossa própria vontade.
Quantos de nós fizeram cursos na faculdade porque era o sonho dos pais?
Quantos de nós mantem relacionamentos com medo de magoar o outro?
Quantos de nós moram em lugares que não gostam, mas não querem que a família sofra se forem para longe?
Estamos comendo os alimentos que temos real vontade e que nos fazem bem ou simplesmente seguindo uma regra que alguém nos disse sobre o que era saudável sem nem sequer conhecer nosso corpo e perceber como ele reage?
Estamos nos vestindo e nos maquiando do jeito que queremos ou porque está na moda ditada por quem não sabe nada sobre a diversidade de corpos que existem no planeta e só sabe ditar regras?
Assim vamos caminhando sem saber a diferença entre o que de nós tem nas ações e o que tem daqueles que enfiaram nas nossas mentes a ideia do que deveria ser feito, de como deveríamos agir. 
Muitas vezes vamos agindo baseados no que os outros vão pensar, no que os outros vão sentir, com medo de decepcionar alguém...
Mas e nós? 
E o que nós sentimos?
Muitos de nós aprendemos que sacrificar a nossa própria felicidade pela felicidade dos outros é sinônimo de bondade e nobreza.
Será mesmo?
Acredito que sacrifícios que ferem a nossa essência não valem a pena.
Quando estamos cercados de pessoas que realmente nos amam de maneira saudável elas querem nos ver felizes.

Aperfeiçoando ou Procrastinando?

domingo, 16 de agosto de 2020


Estamos vivendo uma época em que o acesso a informação é absurdamente rápido e rápido para muitos de nós.
Tudo vem muito fácil às nossas mãos.
Bastam 2 ou 3 cliques e pronto: achamos milhares de livros, cursos, especialistas oferecendo o melhor para nos ajudar em qualquer tema.
Cursos dos mais variados tipos e valores e a quantidade de conteúdo gratuito então... tem pra todos os gostos. Isso é um fato.
E muitas vezes nós ficamos até nos sentindo meio perdidos como quem vai ao supermercado escolhendo o que vamos comprar afinal são tanta as opções disponíveis...
Observando.
Absorvendo.
Aprendendo.
Nos esforçando na tentativa de ser a "nossa versão" ou pelos menos buscando na teoria essa tal melhor versão...
E cá entre nós a teoria é mesmo fascinante e de fato nos ajuda a ter pistas de onde ir, mas nem o conhecimento que fica dentro da nossa mente isolado e nem os nossos mentores podem fazer o trabalho por nós.
Nós é que temos que caminhar. E caminhar já implica em ação, nos mover, sair do lugar... 
Exatamente. Sair das telas, dos livros das asas dos mentores e ir pra vida colocando em prática o que nossa mente já aprendeu.
E é exatamente nessa hora que muitos de nós travamos.
Será que estou mesmo pronta? Talvez eu devesse fazer mais um curso, só mais um... ou ler aquele livro!
Qual é o momento certo para começar a agir?
Quando estamos realmente prontos?
Será que esta busca incansável e interminável pelo conhecimento e pela teoria por si só não esconde o nosso medo de ir para a prática? Medo de cometer os tão temidos erros no percurso?
Perguntas e mais perguntas...
Mas de uma coisa eu sei: nós estamos prontos para viver o hoje, mesmo que a gente ache que não, e sobre o amanhã saberemos amanhã.

Celebrando Pequenas Vitórias

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Bom, eu já falei aqui no blog algumas vezes sobre como é importante a gente agradecer. 
Na verdade eu já fiz até uma lista que foi salva e compartilhada centenas de vezes lá no Pinterest com vários motivos para agradecer que eu chamei de Desafio/Diário da gratidão.
Pois bem. Antes da minha última sessão da terapia, eu resolvi fazer uma coisa diferente.
Em geral a gente leva para essas sessões as coisas piores que aconteceram porque a gente tem a necessidade de colocar pra fora tudo o que está sufocando nosso peito por dentro, mas dessa vez me veio uma ideia diferente: focar nas pequenas vitórias.
O mês de julho para mim foi muito difícil e eu tive algumas situações bem conflitantes nesse mês e até uma crise da ansiedade que eu nunca tinha tido na vida. thanks, quarentena!
Eu acabei percebendo que estava olhando só para a metade vazia do copo e daí eu resolvi mudar a perspectiva e ver o que de bom eu fiz.
Não só agradecer as coisas boas, mas, sim, verificar as pequenas vitórias que eu tive dia após dia. 
E eu fui percebendo que não foram só dias ruins que eu tive e que, na verdade, eles foram a minoria comparada ao mês inteiro.
Acho que muitas vezes a gente fica esperando ter uma grande vitória para comemorar e nesses dias de quarentena estamos aprendendo a dar mais valor ao que antes passava despercebido por nós. 
É preciso celebrar, nos dar os parabéns por continuar seguindo, tentando dia após dia. 
Tem dias que levantar da cama e tomar um banho já é uma baita vitória pra muitos no mundo e nós menosprezamos isso.
Dar um telefonema, conseguir arrumar uma gaveta, sair do quarto e largar o computador pra ir até o quintal, fazer o seu próprio almoço ao invés de pedir qualquer fast food... pequenas coisas que merecem mais valor por nós.
O caderno da gratidão, pra mim, ganhou um novo sentido esses dias: não só agradecer as coisas boas,  mas me parabenizar pelo que eu fiz pelo meu bem principalmente. 
Me enxergar como alguém que continua seguindo apesar dos pesares tem sido importante para mim.
Esses registros fazem muita diferença acima de tudo naqueles momentos mais desafiadores em que parece que não temos nem vontade de levantar da cama. 
Nenhum passo é pequeno demais e agora mais do que nunca, cada passinho conta.
Se eu puder dar um conselho para quem vai ler esse post ele seria: agradeça assim, mas também anote suas pequenas vitórias cada uma delas para que você se lembre amanhã do quanto você foi forte hoje, de que você não desistiu e tem, sim, forças pra continuar.
Vamos em frente!

Onde encontrar esperanças?

segunda-feira, 3 de agosto de 2020

Dia desses me peguei contando há quanto tempo eu não via o meu afilhado menor.
3 meses.
Os outros 2 eu já vi depois, mas não pude sequer abraçá-los ou chegar muito perto.
Quando essa quarentena começou acho que eu era uma das mais otimistas dentre os que me cercam.
Eu repetia que tudo iria ficar bem, que tudo iria terminar logo e a cura viria. Até abril teremos a vacina! eu otimista, dizia.
Bom, eu estava enganada.
Passou Abril, Maio, Junho e Julho.
Nada.
Tem dias que esse otimismo ainda está forte e eu tenho muita fé que estamos cada dia mais perto, mas tem dias que parece que a esperança me escapa entre os dedos esperando por algo sem saber quando virá.
Eu sento e converso com Deus: quando isso vai acabar?
A resposta sempre vem por meio de sinais e na maioria esmagadora das vezes esse sinal diz: tenha fé.
Continuo tentando não só não perder, mas aumentar essa fé dia após dia e tenho pedido a espiritualidade que me ajude a seguir.
Inegavelmente muitos nem sequer viveram a tal quarentena então para eles não faz diferença quando vai acabar.
Acredito que para muitos de nós que levamos a sério a missão do distanciamento a dor da solidão machuca cada dia mais. Cada minuto que a gente não tem a notícia de que finalmente existe a cura parece uma eternidade.
Acordamos e vamos dormir esperando e passam os dias, os meses.
Já não sei mais há quantos dias isso começou.
Não me interessa saber como ou porque começou.
Eu só quero que tudo isso acabe.
Só quero saber o dia em que eu poderei abraçar todos que eu amo novamente, comer um pastel na feira cheia enquanto olho os idosos com seus carrinhos cheios de legumes falando com os feirantes.
Quero entrar nos lugares e não ver mais essas máscaras que me dão pavor.
Eu quero a liberdade de existir de volta, de sair e não ter que ficar em pânico com medo de encostar em algo, ou alguém.
Eu sei que tudo vai passar.
A humanidade já venceu muitas coisas e sim, nós somos mais fortes do que pensamos, mas eu só espero que seja logo.
Às vezes a gente só tá cansado de ser sempre aquele que diz "tudo vai ficar bem, tenha fé" quando todos estão em desespero e achando que é o fim.
Mas o que nos resta além de continuar tentando? A gente chora, desabafa e segue em frente porque enquanto estamos vivos aqui há uma esperança.

5 (das inúmeras)coisas que aprendi com a minha afilhada

sábado, 1 de agosto de 2020


Hoje a minha linda afilhada leonina faz 15 anos.
Ainda lembro do dia que eu fui visitar ela no hospital logo depois de ter nascido. Parecia uma balinha de goma toda vestidinha de rosa. Ali eu me encantei.
Eu achava que não tinha muito tato pra crianças meninas devo dizer até porque eu tinha um afilhado menino, cresci com um primo que é o irmão que não tive e achava assim que eu era meio "bruta" para as coisas, mas quando a nossa princesinha nasceu eu descobri que não era bem assim.
Eu que não gostava de rosa via todos os dias ela lá parecendo como uma bonequinha, a nossa bonequinha tão amada.
Anninha é o que uma leonina vem ao mundo pra ser: puro brilho. Mas ela faz com que aqueles que a cercam acreditem que possam brilhar também.
Não é um papo apenas de madrinha babona o que eu assumo que sou mesmo, mas é porque nesses 15 anos ela me ensinou tanta mas tanta coisa que toda vez que eu a vejo eu me sinto abençoada de ter ela na minha vida.
Eu lembro que uma vez eu estava muito deprimida, mas muito mesmo e passava dias chorando. Ela devia ter uns 9-10 anos na época e como se fosse hoje eu choro e lembro dela dizendo pra mãe que iria trazer a mochila cheia de brinquedos para brincar comigo porque assim eu não iria ficar triste.
Das tantas coisas que ela me ensinou a mais linda de todas foi a de me ajudar a ser uma pessoa melhor pra mim mesma.
Dou risada quando perguntam pra ela "você gosta de você mesma" e a resposta dela é sempre "é óbvio!", mas é a pura verdade. Ela não é convencida, o que ela é é consciente de que gostar de si mesma é fundamental pra todos inclusive pra que a gente possa gostar dos outros também.
É como a minha mãe, outra leonina pura, dizia: "se você não se amar, então quem vai?".
E das muitas coisas que ela me ensinou, separei 5:


Gostar mais de mim mesma

A gostar mais de mim e a me olhar com mais carinho tanto para o lado externo quando para o interno. É tentador a gente se colocar pra baixo procurando defeitos, e ela me ajudou a prestar atenção em minhas qualidades quando me olho no espelho, a focar no que eu gosto e não no que eu não gosto em mim. Ela me inspira todos os dias a me amar cada vez mais e a me tratar bem em primeiro lugar.


Aprender mais coisas novas

A velocidade do mundo desses jovens as vezes me assusta e confesso que eu fico bem perdida nas atualizações tecnológicas haha E ela vai lá com toda sua paciência e amor e me ensina as coisas do "mundo dela". E mesmo quando eu estou meio sem paciência me achando meio burrinha por não conseguir fazer ou aprender algo não tem como desistir porque ela está lá pra não deixar. haha 


Amar cor de rosa

Essa chega a ser engraçada. Eu sempre amei azul e tinha até um rancinho de tudo que era rosa. Eu gosto de ser diferentona desde criança essa é a verdade, mas devo dizer que meu carrinho de bebê foi azul então minha mãe também era diferentona! hahaha Pois bem, quando a Ninha chegou aqui eu me apaixonei pelo rosa de tanto que eu via todos os dias aquela mini Barbie. E o que aconteceu? Hoje em dia ela ama azul e eu amo cor de rosa... vai entender, né?


Aceitar elogios

Ela aceita mesmo. Simples assim. E isso me ensinou a aceitar também. Afinal se a outra pessoa está nos fazendo um elogio é como se fosse um presente que ela está ofertando, pra que desmerecer isso? Já até escrevi aqui no blog mais sobre esse assunto.


Me mimar e me presentear

Eu sempre tive essa coisa de "pra que comprar isso?" quando se tratava de coisas pra mim, mas eu nunca tive isso para os outros. E eu fui aprendendo que eu posso mimar os outros e a mim mesma porque eu mereço presentes tanto quanto as pessoas que eu amo. E hoje se eu quero algo e tenho condições e vai me deixar mais feliz eu compro porque já sei que eu mereço o melhor que puder dar pra mim.

A mensagem que fica pra mim sempre que estou não só com a Ninha mas com todos os meus afilhados, e eu estenderia aqui para todas as crianças sem medo, é que eles tem muito mais pra ensinar do que a gente imagina basta que a gente entenda que eles também são mestres e tudo o que nós temos que fazer é manter o nosso coração sempre aberto para os pequenos grandes mestres.

4LESSONS - Julho2020

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Depois de uma das muitas pausas, volto com os aprendizados do mês.
Me arrisco a dizer que esse foi um dos meses mais complicados que eu já passei desde que me entendo por gente.
Mas tudo tem um lado bom. Pelo menos é o que eu sempre tento ver.
E cá estão as coisas que (re?-)aprendi esse mês:

1- Conectar mais do que com palavras.

Eu sou uma pessoa que ama a escrita. Desde que a internet então acho que já devo ter escrito uns 300 livros de tanto que escrevo. No celular, no PC, no Tablet, nos jogos... eita nós!
E ainda que no celular cheguem mensagem, esse mês mais do que nunca eu senti vontade de ouvir a voz das pessoas que eu amo e que não estou podendo ver e quanta diferença isso faz... meu Deus do céu! A energia é outra! É como se eu estivesse mais perto de cada um e isso em fez muito bem, me senti mais viva e mais feliz também.

2- Falar mais com Deus 

Esse mês comecei algo que já tinha ouvido falar, mas não tinha tentado ainda: o Evangelho no Lar que é algo que segundo o que sei vem da doutrina Espírita.
Sou uma pessoa que não tem uma religião específica. Amo, respeito e sigo preceitos de várias por acreditar que integrar conhecimentos é um bom caminho para mim.
Pois bem. Acabei me lembrando de quanto eu ía para o catecismo e líamos as passagens na bíblia e comentávamos sobre algumas coisas. É algo que tem me feito tão bem, mas tão bem!
Um momento para ler, escrever e discutir sobre ensinamentos sobretudo sobre o amor.
Me fazia falta esses momentos com Deus. É bom voltar.

3- Limpeza é uma maravilha

Que coisa maravilhosa é o aspirador de pó. Virou o meu segundo melhor amigo na hora da faxina (o primeiro ainda é o celular tocando minhas playlists doidas é claro)!
Uma das coisas que me dão alergia é a poeira é toda vez que eu varria meu quarto era um sofrimento. Meus problemas tiveram uma solução: o bendito aspirador.
Eu já usava um pequeno para limpar o notebook, mas agora temos um grande aqui em casa. Que maravilhosidade! 
Como é que eu vivi tanto tempo sem uma bugiganga revolucionária dessa?

4- Cortar meu próprio cabelo é divertido e libertador

Há meses eu estava com vontade de cortar meu cabelo e quem sempre cortou para mim foi minha mãe. Como ela não está mais aqui eu tive que me "virar". 
A parte da frente eu sempre ajeitada, mas no comprimento sempre era a minha mãe que ajudava. 
Vi uns 10 vídeos no youtube. Adiei umas 5x até que finalmente um dia eu resolvi e cortei.
Que libertação foi me livrar daquele peso que não queria mais e também ter a alegria de saber que eu posso cortar meu próprio cabelo.
No dia seguinte pedi minha prima pra ver se estava certinho e, pra minha surpresa quase não precisou acertar nada.

Que agosto seja cheio de coisas boas e aprendizados pra todos nós.

Um layout novo e o 13 de maio

quarta-feira, 13 de maio de 2020


Hoje é 13 de maio de 2020. Dia do aniversário do taurino com o coração do planeta, mais conhecido como Seu Paulo, o meu pai.
Eu adiei esse novo layout desde fevereiro que foi quando o blog fez 4 anos. Não estava com muita cabeça pra pensar nisso nem em Março e nem em Abril. E eu decidi que seria hoje o dia perfeito.
O dia do aniversário do meu pai que foi quem me alfabetizou, quem me ensinou a amar escrever e a amar os artistas já que ele também é um. Meu pai fazia quadros, entalhados na madeira e temos vários aqui em casa. Desde pequena eu respiro em um lugar com os escritos do meu pai na madeira e se eu amo escrever com certeza é graças a ele que teve o amor como ferramenta ao me ajudar a fazer as primeiras letras e ao juntas os pedacinhos das palavras.
Em quatro anos eu cumpri a promessa de escrever quando a minha alma pedisse pra que aqui ficassem só as palavras vindas do meu coração sem cobranças e sem me obrigar a vir escrever por causa de metas ou algo assim.
A todos que já passaram por aqui até hoje que ainda irão passar eu espero que o amor que eu coloquei em cada post tenha alcançado vocês.
Eu agradeço a cada um que usou de seu tempo precioso para parar e ler os meus escritos, e agradeço em especial a Claudinha do blog O pequeno Lírio que está sempre por aqui nos comentários desde o comecinho e me inspira muito.
Está dada a largada para o novo Trilha Positiva, sigo compartilhando o pouco que aprendo com as minhas vivências na certeza de que nós sempre podemos ver algo de positivo na vida e levá-la com mais leveza.
Gratidão. 💖

Afirmações Positivas para stress, amor-próprio e gratidão

quarta-feira, 6 de maio de 2020



Já faz um tempinho que eu comecei a praticar a técnica de afirmações positivas.
Eu comecei quando li um livro da Louise Hay, o "Você pode curar a sua vida".
No início eu estava muito animada e ficava repetindo as frases e logo depois descobri no YouTube vários vídeos com afirmações positivas também.
Depois de um certo tempo, pra ser bem sincera, na maioria das vezes, eu me sentia como espécie de "robozinho" só repetindo as frases de modo mecânico. automático.
Então, eu comecei a pensar que talvez só o ato de repetir as frases não fosse o suficiente para que eu acreditasse que elas estariam fazendo algum efeito pra mim. Foi quando eu comecei a repetir as frases e começar a imaginar e a sentir como seria na minha vida o que eu dizia naquelas afirmações.
E é bem simples: eu só fecho os olhos e imagino tudo acontecendo.
Nesses dias de quarentena, eu comecei a fazer uma lista com várias frases e várias afirmações positivas para me ajudarem a me conectar com o lado positivo quando eu estivesse em momentos de maior ansiedade.
Coloquei na lista sobre amor-próprio, ansiedade, stress e também sobre a gratidão que, como eu vivo repetindo aqui no blog, é uma das coisas que mais nos ajudam a elevar a nossa frequência.
Quando vi as listas achei que elas talvez pudessem ser úteis para outras pessoas então resolvi editar de um jeito mais "bonitinho" e deixar elas aqui no Blog.
Elas podem ajudar tanto aqueles que queiram começar nessa rotina de afirmações positivas quanto os que já tenham começado e estão procurando algumas frases mais específicas sobre os 3 temas que vou colocar aqui.

Afirmações Positivas para Amor-próprio

Quando a gente tem o amor para gente mesmo. Fica muito mais fácil de lidar com vários tipos de diversidade durante o dia. Eu acho que fica mais fácil até mesmo de conseguir. aceitar algumas coisas que a gente não pode mudar e de continuar sendo a gente mesmo enquanto nós estamos sendo pressionados muitas vezes mudar aquilo que nós somos ainda mais nesse período em que não podemos sair de casa e muitos de nós estão Tendo que conviver com pessoas dentro de casa com as quais não tem afinidade. Então eu acho que a prática do amor próprio deve ser diariamente. inserida no nosso dia a dia.



Afirmações Positivas para Ansiedade e Stress

Nesses dias eu tenho tido alguns picos de ansiedade e estresse e acho que muita gente também. to então. Aqui está a lista de algumas coisas que eu gosto de afirmar para lembrar sempre de voltar para o presente tenho tentado me organizar e colocar na minha mente que eu tenho. Resolvidas e que num período eu posso ter esquecido como por exemplo de que tudo passa, inclusive isso que a gente tá vivendo nada é eterno isso também vai passar.



Afirmações Positivas para Gratidão

A última lista que eu tenho para compartilhar é a gratidão porque diante de tantas coisas que a gente tem visto. Do medo da ansiedade da tristeza do Pânico da raiva nós acabamos nos esquecendo de agradecer por tudo que nós já possuímos de agradecer coisas que podem parecer pequenas, mas que muitas pessoas dariam tudo para ter saúde um prato de comida um copo de água limpa. para nós isso acaba sendo balbuque e muitas vezes nem nos damos conta de que são passíveis de agradecimento, mas muitos no mundo não têm acesso a isso e nós. estamos Diariamente pelos tanto privilégios que às vezes não reconhecemos precisamos começar a fazer o exercício de reconhecer as bençãos e milagres que acontecem na nossa vida por menor que eles fariam.



Espero do fundo do meu coração que essas listas sirvam para acalmar outras pessoas e seus corações como tem servido para mim. 
Seguimos em frente!
E que a paz, a tranquilidade e o amor estejam conosco!💖

4Lessons - Abril2020

quinta-feira, 30 de abril de 2020

Mais um mês em quarentena e que mês foi esse?
Quantas coisas que estamos aprendendo e quantas máscaras estamos vendo caindo em vários lugares. Chega a ser assustador! O jeito é apertar os cintos e continuar na montanha-russa que estamos enfrentando sem muitas expectativas.
E os principais aprendizados desse mês foram:

1- Tomar chá é melhor do que eu imaginava

Em vários momentos esse mês o meu chazinho de camomila foi o melhor remédio. Lidar com essas coisas todas acontecendo ao mesmo tempo não está sendo fácil nem mesmo pra mim que quase não me informo sobre o que acontece no mundo.
E o simples ritual de fazer meu chá e ter esse momento pra mim enquanto leio um livro tem sido um verdadeiro item necessário pra diminuir a minha ansiedade. 
Nesse mês chá virou parte do meu kit de sobrevivência com certeza.

2 - Eu sou alguém melhor quando ouço meus mantras

Ter me distanciado dos meus mantras foi um erro ainda mais nesse tempo doido. Voltar a ouvir e a cantá-los tem feito uma diferença incalculável no meu dia. Eles me ajudam a recuperar a fé quase que instantaneamente e a liberar as lágrimas que muitas vezes eu ainda guardo de dores que não reconheci e ignorei. 

3 - A beleza por fora também importa

Assim que eu resolvi entrar pra esse caminho do autoconhecimento e a cuidar mais dos sentimentos, do meu interior, eu confesso que acabei me descuidando na parte de fora.
Aqueles cuidados como rotina com a pele, unhas e cabelos eu fui deixando de lado e fazendo só o básico mesmo.
Mas essa vontade de cuidar do externo parece ter voltado até porque a gente não deve mesmo se prender a regras de beleza ou padrões e nunca devemos esquecer que cuidar do mental, espiritual é ótimo, mas se temos um corpo é importante cuidar dele também além de ser ótimo quando a gente se olha no espelho e não nos sentimos mal com o que vemos.

4 - O limite entre doar-se e sacrificar-se 

Esse tempo de quarentena está sendo desafiador para a minha família porque estamos com alguém doente em casa não com o COVID, mas com um problema físico causado pelo agravamento de varizes ou algo assim, eu não entendo muito bem essas "coisas de médicos".
Fato é que essa pessoa é a irmã da minha mãe e está bem abatida e como eu perdi a minha mãe faz pouco mais de 6 meses pode-se dizer que ainda não terminei o luto por completo (A verdade é que eu acho que não vai terminar nunca, só vai diminuindo a nossa tristeza. Ciclos.)  e ver a minha tia doente não me faz bem.
Todos os dias as minhas primas vem aqui na casa dela, que é do lado da minha, fazer os curativos.
Eu estava começando a me culpar por não ter força e coragem para ir até lá e resolvi ir.
Quando cheguei lá quase desmaiei de tanta aflição que me deu. E por que?
Quem eu estava querendo enganar? O que e pra quem eu estava tentando provar alguma coisa?
Eu me forcei a ficar em uma situação e depois fiquei pensando na diferença entre doar-se e sacrificar-se e percebi, pela milésima vez, que quando uma ação que nos fere além do que possamos suportar não é saudável. É preciso respeitar nossos próprios limites. E eu vez ou outra ainda me pego desrespeitando os meus. Acredito que seja um processo contínuo pra quem é empata.
E então fui tirando do meu coração essa sensação de fraqueza.
Cada pessoa tem suas qualidades e desde pequena essa de ficar perto de alguém machucado não é uma das minhas. Eu simplesmente fico tão apavorada que desmaio.
E comecei a ver no que eu posso realmente ser útil. Em um hospital, por exemplo, nem todo mundo está apto a fazer uma cirurgia, mas todos são importantes em suas funções.
Talvez me falte um pouco isso ainda: saber no que realmente eu posso ajudar ao invés de só agir 100% pela emoção.
Vou aprendendo pelo caminho.

Que Maio seja leve e com boas notícias para nós. Nosso mundo precisa de mais esperança. 💖

A grande diferença entre o que dizem e o que realmente somos

segunda-feira, 27 de abril de 2020

Dia desses eu fui chamada de fria porque disse que não aturava mais pessoas que me faziam de depósito de lixo.
Sim, eu rompi com todas as pessoas que só se lembravam de mim pra reclamar, fazer drama e contar desgraças porque isso suga a nossa energia de uma maneira absurda e nós é que somos responsáveis por nos "defender".
Então eu fiquei chateada durante uns minutos e tentei argumentar, mas quando eu parei pra ver quem falou isso e a pessoa não sabe nada da minha vida e nem me vê há anos e quis tentar me mostrar como é que eu tenho que ser...
Se isso fosse há alguns anos atrás eu ficaria mal por dias e dias, mas dessa vez eu foi fiquei rindo sozinha porque não fazia o menor sentido aquela crítica já que eu me conheço o suficiente pra não dar mais importância pra qualquer julgamento mais.
E resolvi escrever sobre isso pra caso alguém passe pela mesma coisa e chegue até esse post também possa parar e ver com outros olhos a situação.
É impressionante como olhos nos julgam e bocas proferem palavras ofensivas disfarçadas de conselhos a respeito do que somos, aliás, a respeito do que acham que somos.
Sem demora e sem a menor empatia se apressam em dizer: "Você é muito isso." "Você deveria ser mais assim."
Eu já fui alguém que me importava com essas coisas, eu realmente me preocupava com a impressão que eu estava passando até eu perceber que tem pessoas e pessoas no mundo.
Um tipo de pessoa é aquele que conhece você, sabe como é e faz críticas construtivas sem projeção. Esses eu realmente me interesso em saber e de acordo com o que sinto resolvo o que faço com as críticas para evoluir.
O outro tipo é aquele que não sabe nada da sua vida e quer por que quer enquadrar você no que ele julga o ideal. E esses eu aprendi a ignorar porque não querem de fato que a gente evolua, o que querem é que a gente se sinta mal.
Antes quando alguém falava algo sobre mim que  eu sabia que era equivocado eu tentava consertar a visão da pessoa, tentava provar e argumentar que não era bem aquilo, mas hoje em dia eu não perco mais o meu tempo precioso com isso porque aprendi que era sempre em vão.
Mas e então como lidar com essas coisas hoje em dia de fato?
Eu deixo a pessoa falando sozinha. Isso mesmo. Deixo.
O que o outro vê e conclui sobre nós estará de acordo com a capacidade dele separar o real do que é achismo de acordo com as projeções que tem a nosso respeito.
E cá entre nós, quem de nós nunca julgou alguém e depois viu que estava errado? Eu já...
Pois bem.
Outra coisa que eu faço é investir meu tempo em autoconhecimento e eu posso afirmar que essa é uma ótima "defesa" contra esses "ataques".
Assim quando alguém diz que sou isso ou aquilo já não dói no ego como antes. Eu paro, penso e me pergunto:

  • Quem está falando de mim?
  • Essa pessoa me conhece o suficiente pra me julgar?
  • O que ela está dizendo é verdade? Eu realmente sou isso?

E assim eu decido se vale a pena eu ouvir algo ou não, se vale a pena eu investigar e melhorar ou se a pessoa nem sabe do que ela está falando de fato.
Muitas dúvidas inúteis entram na nossa mente porque nós mesmos não nos conhecemos o suficiente pra saber quem de fato nós somos, tanto as qualidades quanto os chamados defeitos.
De uma coisa eu sei, a vida é curta demais pra a gente dar ouvidos a quem não nos conhece e vem apontar dedos pra nós. A realidade é que quanto mais nós entramos em contato com a nossa verdade, e vemos que até mesmo nossos defeitos são parte de nós vamos aprendendo que ninguém tem como nos conhecer mais do que nós mesmos.
Somos apenas nós que vivemos a nossa vida 24 horas e não há ninguém que possa nos julgar.

App favorito para Meditação: Insight Timer

segunda-feira, 20 de abril de 2020


Eu já testei vários Apps para meditação.
Pelo menos uns 10 com toda certeza e não havia encontrado um que conquistasse o meu coração até o dia que eu encontrei o meu queridinho Insight Timer que desde esse dia nunca mais desistalei do celular.
Esse app não é só um contador/medidor básico de tempo básico como muitos que tem disponíveis por aí embora ele também tenha essa função, é claro.
Acho que foi por isso que eu acabei gostando muito dele logo assim que fiz o download e vi a grande variedade de opções que haviam disponíveis para nós.
O Insight Timer vem com métricas pra que possamos acompanhar a nossa assiduidade na meditação o que pode ser bem interessante pra quem quer medir o comprometimento com a prática e também a evolução.
Muitas vezes, para não dizer a maioria delas, eu não registro o tempo da minha meditação no app e as minhas métricas são bem falhas devo admitir, mas ok, eu já me entendi e já me aceitei como uma pessoa que tem dificuldade em manter as regrinhas muito perfeitas.


Na minha concepção o importante é meditar seja com App ou não.
Eu uso ele como um plus quando quero um tema mais específico de meditações e relaxamentos guiados que de fato são o que eu mais amo nesse app e ambos são disponibilizados gratuitamente sobre diversos temas e em vários idiomas.
Temos acesso também a sons binaurais e até mesmo a podcasts nessa vibe para autodesenvolvimento que eu tanto adoro.
Outra coisa importante é que ele é super simples e prático de usar e eu acho todo o visual bem bonito e sem complicações o que facilita o uso para nós todos.
Vale dizer, também, que além disso ele também oferece a versão premium (paga), mas eu garanto que o conteúdo gratuito por si só já é maravilhoso.
Pra quem ainda não testou, fica aí a dica.
Que esta seja uma semana de paz para todos nós e boa meditação! 💖

Pequenas dicas que tem me ajudado a lidar com a Ansiedade

quinta-feira, 16 de abril de 2020

Esses dias estão sendo fáceis e muitos de nós estão enfrentando ansiedade em níveis alarmantes.
É uma onda de pressão muito grande e isso tem deixado nossa energia baixa.
Não é só sobre saúde física, é saúde mental também.
Aqui deixarei uma lista de algumas das coisas que tem me ajudado a lidar com a ansiedade neste momento e que talvez cheguem a alguém que leia esse post.

Alimentação Saudável

A ansiedade faz a gente muitas vezes procurar alimentos que não são saudáveis e nessa situação eu é que não sou nenhum exemplo de como se alimentar porque se eu acordo com vontade de comer uma bacia de salada ótimo, se quero comer batata frita, ótimo também porque o importante é a gente se acolher.
Os alimentos saudáveis nos dão mais energia, saúde e disposição, afinal não adianta cuidar nem só do físico e nem só do emocional. Na minha opinião o que conta é aliar os dois.

Controle de Informação

Eu sempre separo um momento do dia para ler as notícias e não me aprisionar ao celular o dia todo procurando e verificando a cada minuto o que está acontecendo no planeta porque não há saúde mental que aguente.
Os jornais eu simplesmente abandonei já fazem alguns anos. E nesse novo desafio que estamos enfrentado o tempo que eu separei pra isso é 5 minutos por dia que é o que eu "aguento" sem me deixar ser engolida pelas notícias e nada mais.
Precisamos lembrar que também estão acontecendo milhões de coisas boas e prova disso é o Razões para Acreditar que todos os dias nos fazer literalmente acreditar que o nosso mundo continua cheio de pessoas maravilhosas fazendo o bem.

Ler e Escrever

Já até dei a dica aqui do planner da positividade que eu estou fazendo nessa quarentena onde registro minhas.
Vale também usar as morning pages pra descarregar todos os sentimentos e tudo o que se passa na cabeça já pela manhã ou mesmo a noite antes de dormir para repousar com a sensação de que jogou tudo fora, sabe?
O importante é não deixar tudo aí dentro do seu coração. Desabafe com o papel, ele é um ótimo amigo eu garanto!

Meditar

Eu preciso bater nessa tecla de novo porque não tem jeito. É uma conexão forte com a gente mesmo e curativo e maravilhoso estar ali em um momento só nosso.

Focar no que eu realmente posso fazer

Exatamente assim que eu tenho feito todos os dias.
Primeiro faço uma lista bem realista do que está ao meu alcance agora sem entrar na neura me cobrar demais pra ficar frustrada depois.
Tem dia que a gente tem energia pra limpar a casa toda e tem dia que lava a louça e olhe lá.
Pra muitos no mundo tem dias que levantar da cama e tomar o café já é uma vitória.
Tudo conta!

Duvidar e checar fontes

Não acredite em tudo que você lê. Procure por fontes confiáveis que possam dar informações que estejam de acordo com a realidade sem sensacionalismo desnecessário.
Precisamos nos informar para saber como lidar com a situação e não para nos tornarmos desesperançosos.

Chás

Isso pra mim é quase um ritual: a hora do chá.
Eu preparo o chá pra mim com todo o carinho, como um presente. Sento no meu quarto com meu cachorro e fico lá apreciando o momento presente.
Além, claro, das propriedades de cada chá que nos ajudam muito camomila nessas horas é um grande aliado.

Mantras

Eu amo mantras e tenho sempre a minha playlist preparada pra todas as horas. É uma injeção de energia que eu recebo a cada vez que ouço e o meu coração fica sempre em festa.
Mas no lugar de mantras é claro que cada um pode ter a sua playlist de músicas alegres, por exemplo.
A música, como tantas outras formas de arte, é um presente para a nossa alma e nós só precisamos nos permitir sentir.

Mudar de assunto

Essa dica é ótima principalmente quando você está ótimo no seu canto quieto e sempre tem aquele pessimista inveterado que vem te encher a paciência com notícias catastróficas.
Eu não dou mais palco pra isso. Sinceramente.
Tento logo dar um jeito de mudar de assunto e quando eu vejo que a pessoa já é aquele tipo que chega com o spray da negatividade espalhando pra todo lado já saio é de perto.

Espero que as dicas ajudem de alguma forma.
Fiquemos bem!
Tudo passa!💖

Como eu uso o caderno da Gratidão atualmente (ou o Planner da Posividade)

segunda-feira, 13 de abril de 2020


Era meu sonho ter um planner desse.
Um planner com essas colunas organizadinhas que eu via várias pessoas na internet anotando seus inúmeros compromissos.
No dia do meu aniversário ganhei um e como eu já havia comprado um bem mais simples e básico da Capricho bem no comecinho do ano pensei: ué... mas como eu vou fazer agora com dois planners? Nem tenho tanto pra fazer que dê conta de preencher um, que dirá pra preencher dois planners...
E mesmo que esse não tenha data eu nem sequer pensei em deixar pro ano que vem porque eu queria começar logo a usar meu planner dos sonhos!
Na minha cabeça diferentona logo veio uma ideia: faça um planner da positividade.
E eu comecei a pensar como iria fazer pra preencher as tais colunas com o que fosse positivo para mim.
Por fim resolvi fazer uma mistura de diário de coisas positivas com um caderno da gratidão e tem dado muito certo até agora.
O que eu tenho é esses com 3 linhas e uma coluna para cada dia da semana mas é claro que isso é uma coisa mais estética e poderia ser adaptada a um caderno simples sem problema algum. 
O importante é a nossa criatividade sempre!
Vou explicar como tem funcionado pra mim.
Todos o dias antes de dormir eu me dedico um tempinho para escrever nele e coloco toda a minha energia e atenção nisso.
Nesse momento eu procuro por referências para registrar o dia que passou e elas podem ser:
  • Uma afirmação positiva sobre o que aconteceu no decorrer do dia, por exemplo: eu sei ver o lado bom de tudo que acontece.
  • Uma frase ou pensamento meu ou de alguém que tenham me feito refletir
  • Uma letra de música 
  • Um novo mantra ou algum que já seja especial para mim
  • Um aprendizado
  • Ideias
  • Lembranças felizes
Esse não é um planner pra checklist de tarefas e metas, é um planner que eu adaptei para anotar as coisas que tocam a minha alma a cada dia, as razões pelas quais estou grata, enfim, tudo o que me faz mais feliz e eu gostaria de guardar na minha memória ou recordar daqui a algum tempo.
Afinal se eu recebesse um planner dos meus sonhos ele tinha que ter a minha casa e usar ele como a maioria faz, não seria eu. Essa é a grande verdade e eu admito. 😂


O que eu sempre mantenho diariamente nos quadradinhos é a gratidão do dia pois como eu já contei aqui é maravilhoso a gente ter registro das coisas boas que aconteceram para lembrar depois.
E fique a dica nesse período conturbado:
✨ Anote! tenha registros de boas memórias, do que te faz bem!
Faça um diário com tudo que você tem visto de bom a sua volta, sempre é possível pelo menos tentar achar algo positivo, mesmo que pequenino. 
É quando não conseguimos mesmo achar nada dentro desse diário estarão todas as coisas boas que aconteceram para que possamos relembrar.
Escreva!
O que a gente escreve tem muito poder!💖

Empatia em tempos de caos

sexta-feira, 10 de abril de 2020

Na minha humilde opinião, a empatia tem sido um exercício constante para todos nós nessas últimas semanas.
Nem sempre é fácil nos colocarmos no lugar do outro e tentar compreender com o coração o que a mente já condenou.
Pra mim foi bem complicado me colocar, por exemplo no lugar das pessoas que correm para os supermercados e estocam comida em tempos assim.
Vesti logo a minha toga de juíza e comecei com o discurso: mas isso é um absurdo! Como que as pessoas não pensam nos outros! Que mundo é esse?
Aí eu parei pra pensar: quem sou eu pra julgar essas pessoas do alto dos meus privilégios?
Eu não sei o que é passar fome então como posso julgar alguém que tem medo de não ter o que comer?
É claro que no mundo ideal todos somos um e todos nos importamos uns com os outros, mas acho que eu nem preciso dizer que não estamos nesse mundo, pelo menos não ainda.
Fácil apontar o dedo e rir daqueles que se desesperam e perdem o rumo diante desse caos, difícil é acolher e perceber na hora que aquilo não é a pessoa, mas uma reação diante de algo inesperado.
Às vezes eu via as pessoas desesperadas porque não podem sair de casa e eu não tinha muita noção do porquê disso tudo já que eu amo ficar em casa e mais uma vez eu tive que sair do meu quadradinho confortável de apontar e julgar e me colocar no lugar do outro.
Ficou muito mais fácil entender o que eles sentem.
A verdade é que nós não temos como saber a bagagem que cada um carrega e é por isso que fica praticamente impossível julgar a partir do nosso olhar.
Ah mas se fosse eu... jamais faria isso...
Será mesmo que não?
Será que se nós estivéssemos no lugar da pessoa que estamos julgando faríamos diferente?
É preciso reconhecer nossa arrogância.
Nós não temos nem sequer como voltar atrás na nossa própria vida e mudar as escolhas que fazemos e hoje julgamos erradas, imagine então julgar as escolhas dos outros...
Cada um faz o que a consciência permite.

Será que é possível ter empatia até um certo limite somente?
Talvez exista um limite para concordar ou não com determinadas ações de acordo com o que nós julgamos certo ou errado, mas se nós fizermos o exercício de nos colocarmos no lugar do outro conseguimos ver que realmente, uma vez que não somos juízes de fato, só podemos julgar se calçarmos os sapatos dele e viver o que ele viveu.
O que eu sei é que eu prefiro fazer o papel de Empata e, por mais que eu ainda falhe muitas vezes e me pegue julgando, tenho deixado o papel de Juiz para os que tem competência para tal.

O clima está, de fato, estranho

quarta-feira, 8 de abril de 2020

Por mais irônico e louco que possa parecer eu, que quase nunca saio da minha querida casa, tive que sair esta semana, no meio de um isolamento total, para tomar conta dos meus afilhados pois a mãe deles precisaria sair de casa bem cedo para resolver um problema.
Pois bem, levantei antes das seis, me arrumei e fui.
Havia bem poucos carros na rua se for comparar com o normal no bairro em que eu vivo e no dela também, mas até aí eu não tinha sentido o peso do clima ainda pois como era bem cedo e por boa parte das pessoas estarem dormindo não tinha muito o que reparar nas ruas.
Foi na volta que eu realmente comecei a prestar mais atenção nas minúcias pelo caminho.
As pessoas que estavam nas ruas carregavam um semblante bem preocupado, triste e cujo medo a gente pode notar a muitos metros de distância e elas tem razões para tal.
Os cariocas daqui estão sempre sorrindo, falando alto, se abraçando pela rua. Acabam de conhecer alguém e já ficam horas lá batendo papo. Bom, esse é o modo como eu sempre os vejo desde bem pequena.
Dessa vez eu não vi um sorriso sequer.
As pouquíssimas pessoas que se cumprimentavam era apenas com um tímido aceno de cabeça ou das mãos.
Nos pontos de ônibus cheguei até a ver pessoas com máscaras e foi aí que a tristeza que eu queria tentar ignorar no ar, enfim, me pegou. 
Que impressão estranha eu tive vendo isso.
Nem sei descrever ao certo o que foi, mas eu vim pelo caminho pensando em como isso tudo parece um filme e nós seguimos esperando as próximas cenas.
Poucas lojas abertas. Avisos colados nos estabelecimentos fechados. 
Filas gigantes do lado de fora dos bancos.
E aqui, onde a maioria conversa até com o poste, não havia uma voz sequer.
É estranho ver o meu amado Rio assim, entristecido e fechado. Isso foi o que me doeu.
Ficar em casa, pra mim, é fácil. 
Eu tenho minhas maneiras de lidar com a tristeza, com a ansiedade e com o medo quando eles começam a me rodear, mas ver várias pessoas assim, para uma empata, foi como se eu pudesse sentir no ar a tristeza e o medo que, em um momento onde temos que ficar longe uns dos outros, une todos nós.
Com a esperança que nunca me abandona eu sinto no fundo do meu coração que vamos superar isso, mas a acho que a pergunta todos nós fazemos dia após dia é: quando?
Ainda não há uma data de fato, mas eu sigo otimista,com fé e tentando manter minha energia positiva o máximo que consigo.
Não, eu não quero de volta a vida como ela era antes porque sei e acredito que vamos sair de toda essa experiência muito mais fortes e sábios, mas eu espero ver de volta os sorrisos de volta as ruas em breve não só do Rio de Janeiro, mas do mundo.
Seguimos em frente, acreditando e que boas notícias cheguem até nós!
Isso vai passar.

Cuide bem da sua energia

terça-feira, 7 de abril de 2020

Hoje acordei pensando e acabei "criando" uma analogia bem simples e em forma de um exercício de autoanálise para ter uma noção básica de como estamos cuidando da nossa energia diariamente.
Se você, que está lendo do lado daí, sentir afinidade no seu coração com a minha sugestão, aqui está ela:
Primeiro exercício sugerido: Tempo destinado para verificar as notícias 

Separe um momento do seu dia pra se informar sobre o mundo (nesse caso em específico eu estou falando das informações sobre o COVID-19)e depois ocupe-se com outras coisas, de preferência que te deixem alegre. Não se deixe ser engolido por notícias ruins o dia todo!
Tem tantas coisas lindas nesse mundo imenso em que vivemos e que aquecem o nosso coração e despertam os nossos bons sentimentos então focar somente no que já sabemos que nos faz mal? Por que colocar toda a nossa atenção em coisas que só nos colocam pra baixo e nos deixam tristes?
Podemos ao menos tentar equilibrar, certo?

Segundo exercício sugerido: Medindo seu Pote de Energia

Vamos imaginar o seguinte:
Todos os dias você acorda com um pote cheio de energia!
👎 Cada notícia ruim e catastrófica que você vê, cada vez que você reclama, cada vez que você fala mal de algo ou alguém, cada vez que você julga esse pote vai perdendo um pouco de energia.
👍 Cada vez que você ora, medita, ri, elogia alguém, ouve músicas que te deixam feliz, vê notícias boas esse pote vai se enchendo de energia de novo.
Seguindo isso, vá prestando atenção no decorrer de um dia inteiro. E pode até fazer um registro em uma folha de papel pra saber pra que lado você está indo.

No final do dia faça uma avaliação honesta.
E aí? Como será que fica o seu potinho de energia?
Mais pra vazio ou mais pra cheio?
Tem dias que o nosso pote vai estar super cheio porque prestamos mais atenção no lado positivo e em outros ele vai estar beeem vazio.
Então eu sugiro que a gente vá se observando e se adaptando a rotina de ir até o que traz alegria a nossa alma.
Primeiro a gente pode buscar um equilíbrio pra depois focar mais no lado positivo.
Vale lembrar que não existe isso de ser 100% positivo e alegre o tempo todo, ok?
Às vezes ficamos desanimados sem saber o porquê e quando vamos parar para analisar isso está diretamente conectado com o jeito que "alimentamos" a nossa mente e o nosso coração.

E você, como tem cuidado da sua energia esses dias?
💖Fique bem!

Vamos conversar sobre Produtividade: não somos máquinas

segunda-feira, 6 de abril de 2020


- Faça o download desse checklist!
- Desafio da quarentena!
- Não fique atoa!
- Programa de exercícios!
- Se vista como se fosse trabalhar fora!
- Beba isso para imunidade, coma isso, 
- Não engorde na quarentena! 
- Não desconte emoções na comida.
- Compre isso, compre aquilo!
Com esse bando de coisas pra nos distrair será que temos direito a um tempo pra respirar? Meditar? Sentir???
Estamos em meio a uma coisa que abalou o mundo todo e nós estamos abalados e sem saber o que fazer da vida e eu entendo que quem faz isso está tentando ajudar e há público pra isso obviamente! E minha questão aqui não é nem com um ou com outro, mas com as pessoas que simplesmente querem ficar quietas por um tempo e não tem que se sentir culpadas por isso.
É normal estar com medo.
É normal sentir raiva.
É normal se sentir perdido.
É normal não querer se arrumar pra ficar em casa.
É normal querer um pedaço de bolo de chocolate
É normal SENTIR!
É normal estar em uma montanha-russa de emoções em meio ao que estamos vivendo porque isso foi inesperado, anormal e as pessoas que nós amamos que estão correndo perigo.
Nós não temos que nos sentir culpados por não estarmos fazendo listas de afazeres porque nossa prioridade agora é o mental, é ficar bem e tentar manter a calma pra nos acolher.
Os afazeres podem ajudar sim, mas sem que pra isso sejam um fardo pra nós.
Eu mesma comprei um curso faz pouco tempo que ainda não consegui nem começar e, pra ser sincera, eu nem sei quando eu vou começar.
Eu amo listas de desafios embora eu comece, mas não cumpra a maioria deles.
E eu também adoro riscar as coisas que eu fiz pra me sentir produtiva.
Mas, honestamente, tem dias no meio desse caos que tudo o que eu quero é simplesmente deitar na minha cama e chorar toda a dor que eu estou sentindo e não algo pra me distrair e me dar uma alegria ilusória porque depois eu sei que essa dor vai voltar muito pior.
Nós não somos máquinas de produção, nós somos seres humanos e temos limites e vamos respeitar o nossos limites.
O mundo já nos cobra demais o tempo todo.
Vamos fazer o que nossa alma pede. Se hoje eu quero ler o dia todo, ou fazer exercícios, ou limpar a casa inteira, ótimo! Mas não vamos nos cobrar além do que precisamos realizar de fato.
Essa não é a hora de sermos carrascos conosco e nos obrigar a fazer coisas que não queremos só pra parecer que não estamos parados no tempo.
Essa é a hora de sermos nossos melhores amigos.

Loki: meu fiel escudeiro na Quarentena

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Eu sou muito feliz e sortuda por ter crescido sempre com pelo menos um cachorrinho em casa.
Foram meus grandes amigos e já partiram o Roni, o Japi, a Pirrucha e a Bebein e agora tenho aqui comigo o Loki.
Um chihuahua bem temperamental e ciumento, mas com tanto carinho que eu nunca vi nessa vida.
Assim que ele chegou na minha vida eu ainda estava com o coração muito machucado porque fazia pouco que eu havia perdido a minha cachorrinha e eu não queria nem pegar ele no colo porque na minha ingenuidade bem idiotinha diga-se de passagem isso me ajudaria nunca mais me apegar nem amar nenhum cachorro nessa vida. aiai...
5 minutos depois que vi aquela coisica peguei ele no colo e não teve jeito. O meu coração derreteu.
E só Deus é quem sabe como nós mimamos esse cachorrinho desde que ele veio pra cá.
Quando ele chegou nós estávamos vazios, a casa estava triste porque a nossa Bebein havia partido e ele fazia tanta bagunça e nos dava tanto amor que foi uma cura pra todos nós e toda aquela tristeza sumiu.
Todos os dias quando acordo ele é o primeiro que eu vejo sempre em cima da minha coberta, ora dormindo, ora pulando pra me acordar já ligado no 220.
Minha roupas são cheias de pelo e não poderia ser diferente é só ele pedir colo, e lá vou eu.
No meio dessa pandemia muita coisa ficou limitada pra nós seres humanos principalmente o contato físico, mas esses nossos amigos não correm perigo graças a Deus. 
Então eles podem e devem ser abraçados. Os que gostarem é claro pra que a gente não sufoque os coitados! hahaha
Eu não tenho a menor dúvida de que eles sabem que nós precisamos do amor deles mais do que nunca agora.
Como sou introvertida e amo ficar em casa meu cachorro acaba sendo minha companhia e um grande amigo também. 
Eu converso com ele. Sim, eu converso mesmo, mas ainda não consigo decifrar o que os latidos em resposta significam...
Toda vez que eu estou triste ele sabe.
Toda vez ele vem pra perto de mim e não sai até eu ficar bem.
É a minha riqueza na vida e é assim que eu chamo ele: riqueza. 😂
Às vezes estou aqui chorando preocupada com tudo que está acontecendo, ou com medo e ele vem e começa a lamber as minhas lágrimas. Eu não sei muito bem se ele entende, mas isso acaba me fazendo chorar mais ainda mas de felicidade e não mais de tristeza.
Quando eu olho pra ele eu já sou invadida por um sentimento de gratidão primeiro porque ele é um presente de Deus e segundo porque é uma "herança" da minha mãe que era a "dona" dele.
O meu grande companheirinho nessa jornada não poderia ser outro além do meu amado Loki. 
Não enfrentamos zumbis como Neville e a Sam em Eu Sou a Lenda, mas já foram muitos monstros que ele me ajudou a derrotar.
Que bom.
Que bom que o meu coração se abriu pra ele logo no primeiro dia que eu o vi.
Ele é mesmo um grande amigo, muito mais do que eu poderia sonhar. 💖

Nós já somos os heróis da nossa própria história

quinta-feira, 2 de abril de 2020


Quando você entende que cada um tem sua própria Luz a competição se torna inútil e sem sentido.
Cada um tem a sua beleza, seus dons, suas qualidades, seus defeitos... somos únicos em nossa perfeição imperfeita.
Imagine que triste seria o céu com apenas uma estrela brilhando naquela imensidão toda... Que bom que todas elas tem seu espaço e brilham lindamente em conjunto e sem competir.
Houve um tempo em que eu acreditava que tinha que ganhar tudo, que tudo e todos estavam contra mim e que eu tinha que mostrar que eu era boa em alguma coisa.
Então eu seguia desesperadamente lutando pra ser melhor e melhor todos os dias me comparando com os outros e esperando aprovação, é claro.
Quando eu penso que já sou uma filha amada de Deus me pergunto:
eu preciso de aprovação de quem? eu preciso competir com quem?
A resposta é simples: ninguém.
Quando nos aceitamos como somos e olhamos tudo o que já passamos e as inúmeras batalhas, que muitas vezes não acreditávamos que iríamos conseguir vencer e, no fim, já vencemos fica fácil perceber que já somos vencedores, que já somos os grandes heróis da nossa própria história.
Se o monstro da competição me ataca (o que é normal e muito estimulado nesse mundo em que vivemos) eu me abraço e falo: você sabe que não precisa disso.
E eu não preciso.
Você não precisa.
Somos todos um e estamos todos dentro do coração de Deus.

Envie amor ao planeta

quarta-feira, 1 de abril de 2020


Essa madrugada não conseguia dormir e enquanto eu conversava com Jesus e pedia um sinal a respeito do que fazer para ajudar de alguma forma nesse processo todo que estamos passando e ajudar, principalmente aqueles que estão com o coração aflito já que não sabemos muito como agir já que estamos todos meio abalados na verdade.
A resposta que veio ao meu coração foi: envie amor, envie o máximo de amor que conseguir.
A prática que veio para mim é bem simples e ela une o envio de luz para o planeta e o Ho'oponopono que é uma prática que eu gosto muito.
Resolvi colocar aqui no Blog para que mais pessoas também acessem afinal não importa a quantidade, o que importa é a mensagem chegar aonde deve chegar.
1. Sente-se ou deite-se de modo a se sentir confortável. A escolha é sua. 
2. Feche os seus olhos e, se possível, coloque as mãos no seu coração.
3. Imagine uma luz rosa que sai do seu coração e vai se expandindo para o seu bairro, cidade, estado, país, continente e, finalmente, para todo o planeta.
4. Sustente essa luz de amor pela nossa mãe Terra pelo tempo que conseguir.

Ao final diga:

QUERIDA MÃE TERRA, 
EU SINTO MUITO. ME PERDOE. SOU GRATO. EU TE AMO.


O amor cura!
✨Deixe que o seu amor abrace a Terra que já foi tão maltratada por nossos antepassados e por nós mesmos.
✨Cada um de nós carrega dentro de si o amor de DEUS como filhos amados que somos. Não nos esqueçamos disso jamais.
A serviço da Luz e do Amor.
Está feito. 💖